sexta-feira, 19 de abril de 2013

Criatividade no Comida di Buteco

Prato concorrente da Cervejaria Seu Romão - Fonte: Comida di Buteco
 
Um episódio vivido ontem me fez vir correndo escrever no blog. Eu adoro época de Comida di Buteco, os bares cheios, o clima, descobrir os pratos, enfim, tudo que envolve o concurso. Claro que o sucesso vem acompanhado da dificuldade para conseguir uma mesa, muitas filas e garçons sobrecarregados. Quem não quer esse tumulto, por favor, procure bares que não estão participando do circuito e vai ser feliz por lá. E quem decide seguir o roteiro botequeiro, nada de perder a esportiva.
 
Os botecos, por sua vez, podem amenizar a espera com um atendimento bacana. Ontem fui à Cervejaria Seu Romão e me surpreendi com a iniciativa deles. Estão participando pela primeira vez e se preparam para a super lotação.
 
A fila, com média de espera de uma hora, foi encarada sem problemas. Isso porque, na porta do bar, um garçom oferecia duas possibilidades. Logo na entrada, para esperar por ali mesmo, colocaram uma caixa de isopor com cerveja long neck geladíssima e amendoim para tira gosto. A outra opção - genial - é o direcionamento para o bar vizinho. Eles fizeram uma parceria com o bar ao lado e mandam o pessoal para lá. Anotam seu celular e quando chega sua vez ligam avisando.
 
O tal bar vizinho também atinou e fez um cardápio intitulado “comida di buteco”, com petiscos típicos. Cada um ganhando seu dindin de forma criativa. E eu, sem stress, fiquei esperando meu lugar na Cervejaria Seu Romão no bar amigo, tomando cerveja e comendo torresmo de barriga.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Um pouco de Juan Carrau

Não sou uma grande conhecedora de vinhos, mas sim uma grande apreciadora desse líquido precioso. Recentemente conhecia os produtos Juan Carrau e uma característica me chamou a atenção: os rótulos de produção orgânica. Para entender melhor essa história, bate um papo com um dos Juan Carrau, que representa 10 gerações.

Qual atuação do Atelier Carrau?
A palavra atelier é utilizada para designar locais onde se trabalha com arte, onde habita a inspiração. Entendemos, assim, que é o termo mais adequado para uma pequena adega, na qual se trabalha para equilibrar a mais alta tecnologia de vinificação, com os processos ancestrais e mais tradicionais para a elaboração de vinhos finos.

Como surgiu a empresa?
A família Carrau trabalha na elaboração de vinhos finos de forma ininterrupta há dez gerações, desde 2 de abril de 1752, tradição iniciada em Vilasar de Mar, perto de Barcelona. Nestes mais de 260 anos de tradição a Familia Carrau tem produzido grandes vinhos na Espanha, Uruguai e Brasil.

Atualmente, como é a estrutura?
A empresa possui vinhedos próprios em Santana de Livramento, fronteira Uruguai / Brasil. Nestes vinhedos são cultivadas as uvas orgânicas. Estamos com um projeto de montar uma adega modelo, dentro dos moldes da condução biodinâmica. Desta forma, poderíamos otimizar alguns processos como o aproveitamento de bagaço de uva em adubos.
  
Qual o carro chefe?
O vinho Velho do Museu foi desde sua primeira safra (42 anos atrás), um produto destacado pela sua qualidade e possui muitos fãs pelo Brasil todo. Este é nosso principal vinho de reserva com grande aceitação.

Como funciona a produção?
O foco de nossa produção é elaborar vinhos de destacada qualidade. Trabalhamos com volumes pequenos, o que permite adotar alguns processos artesanais, como por exemplo a seleção manual dos espelhos das rolhas.

Vocês possuem alguma certificação?
Os vinhos orgânicos já foram certificados pelo IBD (Instituto biodinâmico), porém atualmente estamos trabalhando no desenvolvimento de uma certificação participativa. Procuramos desta forma compartilhar nosso aprendizado e aumentar a massa crítica do segmento.

Como funciona o processo orgânico?
Para produzir um vinho fino orgânico é preciso primeiro ter uvas viniferas orgânicas. Este foi um trabalho que se iniciou em Santana do Livramento a partir de 1994. Em 1997 foi possível concretizar a conversão do vinhedo (de convencional a orgânico), dando lugar ao primeiro vinho Fino Orgânico do País. É importante destacar que, em nossa abordagem, a agricultura orgânica não é um fim por si só, e sim um meio para alcançarmos produtos de melhor qualidade em equilíbrio com o meio ambiente!

Qual harmonização ideal?
A harmonização do vinho é muito importante e, quando bem feita, podemos extrair o máximo do vinho e do prato. Além disto, é muito importante que o entorno, o clima e o ambiente também acompanhem para fazermos de cada taça de vinho um momento único!