Pular para o conteúdo principal

Um pouco de Juan Carrau

Não sou uma grande conhecedora de vinhos, mas sim uma grande apreciadora desse líquido precioso. Recentemente conhecia os produtos Juan Carrau e uma característica me chamou a atenção: os rótulos de produção orgânica. Para entender melhor essa história, bate um papo com um dos Juan Carrau, que representa 10 gerações.

Qual atuação do Atelier Carrau?
A palavra atelier é utilizada para designar locais onde se trabalha com arte, onde habita a inspiração. Entendemos, assim, que é o termo mais adequado para uma pequena adega, na qual se trabalha para equilibrar a mais alta tecnologia de vinificação, com os processos ancestrais e mais tradicionais para a elaboração de vinhos finos.

Como surgiu a empresa?
A família Carrau trabalha na elaboração de vinhos finos de forma ininterrupta há dez gerações, desde 2 de abril de 1752, tradição iniciada em Vilasar de Mar, perto de Barcelona. Nestes mais de 260 anos de tradição a Familia Carrau tem produzido grandes vinhos na Espanha, Uruguai e Brasil.

Atualmente, como é a estrutura?
A empresa possui vinhedos próprios em Santana de Livramento, fronteira Uruguai / Brasil. Nestes vinhedos são cultivadas as uvas orgânicas. Estamos com um projeto de montar uma adega modelo, dentro dos moldes da condução biodinâmica. Desta forma, poderíamos otimizar alguns processos como o aproveitamento de bagaço de uva em adubos.
  
Qual o carro chefe?
O vinho Velho do Museu foi desde sua primeira safra (42 anos atrás), um produto destacado pela sua qualidade e possui muitos fãs pelo Brasil todo. Este é nosso principal vinho de reserva com grande aceitação.

Como funciona a produção?
O foco de nossa produção é elaborar vinhos de destacada qualidade. Trabalhamos com volumes pequenos, o que permite adotar alguns processos artesanais, como por exemplo a seleção manual dos espelhos das rolhas.

Vocês possuem alguma certificação?
Os vinhos orgânicos já foram certificados pelo IBD (Instituto biodinâmico), porém atualmente estamos trabalhando no desenvolvimento de uma certificação participativa. Procuramos desta forma compartilhar nosso aprendizado e aumentar a massa crítica do segmento.

Como funciona o processo orgânico?
Para produzir um vinho fino orgânico é preciso primeiro ter uvas viniferas orgânicas. Este foi um trabalho que se iniciou em Santana do Livramento a partir de 1994. Em 1997 foi possível concretizar a conversão do vinhedo (de convencional a orgânico), dando lugar ao primeiro vinho Fino Orgânico do País. É importante destacar que, em nossa abordagem, a agricultura orgânica não é um fim por si só, e sim um meio para alcançarmos produtos de melhor qualidade em equilíbrio com o meio ambiente!

Qual harmonização ideal?
A harmonização do vinho é muito importante e, quando bem feita, podemos extrair o máximo do vinho e do prato. Além disto, é muito importante que o entorno, o clima e o ambiente também acompanhem para fazermos de cada taça de vinho um momento único!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Assa peixe em Sabará

No final de novembro do ano passado estive em Sabará, bem pertinho da capital mineira, para participar do 27º Festival da Jabuticaba. Na época estava em uma correria e acabei não falando uma linha sobre o assunto aqui no blog. E agora vasculhando alguns arquivos achei um material bacana, receitas e dicas que vale contar para vocês. Além de servir de inspiração para participar do próximo festival, a cidade merece ser visitada sempre, pois os produtores artesanais, restaurantes e cozinheiros estão preparados para receber o ano todo.
Para começar, preciso contar a minha maior surpresa por lá, o assa peixe frito. É feito pelo cozinheiro Manoel Ferreira, que trabalha no restaurante do Parque Quinta dos Cristais. Ele conta que aprendeu a cozinhar com a mãe, que o ensinou não só o ofício, mas também o prazer em degustar e identificar os sabores presentes em cada garfada.
Para quem não conhece (assim como eu não conhecia), o assa peixe é uma urtiga, muito usada como planta medicinal. Mas nas m…

Lenda do bacuri

Outra lenda interessante é sobre a origem do bacuri. Dizem que, certo dia, na floresta, apareceu a cabeça de um índio caxinauá, que havia sido degolado por um de seus companheiros. A cabeça aterrorizava a tribo com exigências que deveriam ser cumpridas para evitar que não lhes fosse tirada a vida. Todos deviam buscar, na floresta, um fruto amarelo escuro e manchado, com casca dura e uma polpa deliciosa, vindo de uma árvore cheia de flores avermelhadas. Os índios obedeceram às ordens por muito tempo até que um dia alguém resolveu experimentar o fruto, sendo seguido por todos os outros índios. A cabeça ficou muito brava e se transformou na Lua. Depois disso, sempre que comiam a fruta, davam as costas para Lua.

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…