sexta-feira, 17 de julho de 2015

O melhor molho de tomate do mundo


Outro dia falei aqui sobre a famosa pizza da minha avó, que é simplesmente uma das mais exemplares formas de perfeição existentes no mundo. O que não contei, ainda, é sobre um dos segredos para essa receita de Dona Conceição: o melhor molho de tomate do mundo!

Juro que não é exagero e, muito menos, a devoção de uma neta falando. O molho de tomate dela é escandaloso de simples e saboroso. Aliás, acho que a simplicidade é o motivo de ser tão incrível, pois é feito basicamente de tomate e carinho. Em nossa família existe um verdadeiro contrabando de molho por esse Brasil afora, potinhos que vão pra lá e pra cá.

Ontem foi dia de me arriscar nas panelas para preparar o tal molho. Tomate madurinho, bem escolhido. Devidamente lavados, cortados ao meio e sem sementes, eles vão para a panela com um copo de água. Fogo baixo, sem pressa, os tomates vão suando e soltando a pele. Coisa de minutos e já pode colocar em um escorredor, tirar a pele e deixar escorrer a água. Triture os tomates e volte ao fogo para apurar. Uma pitada de açúcar, outra de sal e o pulo do gato. Lembro-me sempre de ver minha avó refogando o alho e a cebola bem picadinhos e dizendo: "Mariana, metade tem que bater com o molho e o restante colocado direto na panela, assim fica mais gostoso".

Pronto, é hora de ficar feliz da vida com o resultado e usar a imaginação, seja em pizza, macarrão ou com uma torradinha – lá em casa é um vício comer esse molho com pão!

terça-feira, 14 de julho de 2015

Caçula na cozinha


Acredito de verdade que a comida tem um poder incrível de mudança. Seja para quem trabalha com esse mercado, para quem experimenta uma colherada de algo capaz de inundar a boca de sabores ou uns e outros que se rendem a essa paixão. Recentemente tenho percebido um pouco dessa mudança na vida da minha irmã Nathália. Caçula e sempre muito paparicada, a pequena menina, agora grande mulher, tem trocado algumas noitadas para se entregar aos mágicos momentos da cozinha.

A cada dia ela descobre um truque, testa uma nova receita, experimenta um vinho e, pouco a pouco, vai descobrindo o prazer desse ritual. Tudo começa com a escolha do prato. Pesquisa, pergunta e decide o que irá fazer. Depois vem a seleção dos ingredientes, que já é mais cuidadosa do que antes. Na cozinha, temperos se encontram e, logo depois, tudo se concretiza na panela. É chegado o momento que consagrar toda essa história: o de degustar. O paladar traz à tona a recompensa de todo o trabalho e, principalmente, a satisfação que, acredito eu, somente a comida é capaz de proporcionar.

Um exemplo disso tudo é essa foto aí, que recebi da caçula na última sexta-feira comemorando o sucesso do Penne ao molho Alfredo. :P 

domingo, 5 de julho de 2015

Sushi Bom Pastor


Locadora de filmes e comida japonesa, uma combinação inusitada, mas que o Sushi Bom Pastor mostrou ser possível. O lugar era originalmente locadora e café e, há cerca de um ano, conta com sushis e sashimis invadindo a área. Eu nunca tinha ouvido falar do estabelecimento, mas a indicação de uma amiga nos fez parar lá em uma fria sexta-feira.

Espaço aconchegante, bem íntimo e com atendimento bonito levado no sorriso. No dia fomos de rodízio, por R$ 56,90, já que a vontade de japa era grande. Fiquei surpresa com a qualidade, ingredientes frescos e sabor incrível. Gostei tanto das peças simples e obrigatórias quanto das criações da casa.

Maridão foi de cerveja, das tradicionais a alguns rótulos especiais. Eu – congelando no frio dessa cidade – tinha como objetivo de vida tomar vinho para esquentar. Foi, então, que me deparei com o único defeito da casa a meu ver: a carta de vinhos. Eles só contam com dois rótulos, um Miolo de 375 ml e um Dona Dominga de 750 ml. Não fiquei de tudo triste, pois o Dona Dominga tem um custo benefício bacana e foi o vinho servido em nosso casório, mas queria ter mais opções de escolha da bebida.

Tirando esse detalhe, saímos satisfeitos, com vontade de voltar e encontrar o mesmo padrão de qualidade na comida. Uma dica para quem se interessar é fazer reserva, pois o lugar é pequeninho. ;)