sábado, 31 de outubro de 2015

Bolo de cenoura é puro amor!


Bolo de cenoura, o que dizer sobre ele? Que é fácil de fazer, prático, irresistível, deixa a casa com aquele cheiro, faz salivar, lembra casa de mãe, fica com uma cor linda e é puro amor? Sim, podemos dizer tudo isso sobre ele, correr pra cozinha e fazer o dia ficar mais feliz com essa indecência.

Ingredientes para massa:
3 ovos
1 xícara de chá de óleo
2 xícaras de chá de açúcar
3 cenouras médias ou 2 grandes
2 ½ de chá de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó

* Coloque no liquidificador (nessa ordem) os ovos, o óleo, o açúcar e as cenouras. Bata por 5 minutos, até ficar bem homogêneo. Despeje em uma vasilha e misture delicadamente a farinha de trigo. Adicione o fermento e misture mais um pouco. Coloque em uma forma untada e enfarinha. Leve ao forno pré-aquecido a 180º por cerca de 40 minutos. Retire do forno, espere esfriar e coloque a cobertura.

Ingredientes para cobertura (lá em casa isso é motivo de discórdia, porque cada um gosta de um jeito, então vou passar a receitinha das três coberturas que fazemos):

De mãe
2 gemas
2 colheres de sopa de açúcar
3 colheres chocolate em pó
1 colher de sopa de manteiga
½ xícara de chá de leite
*Misture todos os ingredientes e leve ao fogo baixo até formar uma calda.

De TPM
1 lata de leite condensado
4 colheres de chocolate em pó
1 colher de sopa de manteiga
*Misture todos os ingredientes e leve ao fogo baixo até o ponto de brigadeiro mole.

De frescura
300 gramas de chocolate amargo
1 caixinha de creme de leite
* Pique o chocolate, coloque o creme de leite e leve ao fogo, em banho-maria, até formar um creme.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Pãezinhos de cebola e manjericão


Não me canso de dizer o quanto gosto de fazer pão. Acho uma coisa tão incrível preparar a massa e depois ver o resultado. É algo que realmente me conforta. Ontem foi dia de castigar a vizinhança com cheirinho de pão no forno. E olha que esses perfumaram mesmo o ambiente. A receita é daquelas facinhas e viciantes, confira aí! 

Ingredientes:
300 ml de água
60 ml de óleo
1 colher de chá de sal
15 gramas de fermento biológico seco
600 gramas de farinha de trigo
Cebola e manjericão

Modo de preparo:
Coloque em uma tigela o fermento, um pouco da água e da farinha de trigo para fazer uma misturinha. Deixe descansar 10 minutos e acrescente o sal, óleo, o restante da água e misture bem. Coloque a farinha de trigo e despeje em uma superfície para sovar a massa – com carinho! Se precisar, acrescente mais farinha de trigo para dar o ponto. E por falar nele, o ponto dessa massa é bem fofinho e desgrudando das mãos. Divida a massa em duas partes e adicione os temperos. *Em uma parte eu usei cebola desidratada no forno, é só fatiar bem fina e levar ao forno por uns 15 minutos. Na outra, coloquei manjericão picadinho.*
Deixe a massa crescer até dobrar de volume. Modele os pãezinhos, coloque em uma assadeira untada e deixe descansar por mais 20 minutos. Leve ao forno médio até assar e dourar.

Dica: uma manteiga derretendo nesse pão quentinho é coisa linda de viver. 

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Comida de criança é coisa séria


Comida de criança é coisa séria e nesse final de semana fiquei pensando sobre isso. O que comemos quando criança forma não só nosso paladar, mas também o nosso estilo de vida. Lá em casa fomos criadas com angu, feijão, verdura, uma carninha ensopada e muitas frutas, colhidas logo ali em nosso quintal. Tinha fruta do conde, laranja serra d’água, abacate, banana, limão, amora, goiaba e cana-de-açúcar. Tenho certeza que se perguntar para minhas irmãs, elas irão se lembrar de cada detalhe do nosso quintal, assim como do sabor dessas delícias.

Levamos essa criação para nossas vidas. Desde o respeito e cuidado com o alimento até o prazer de saborear as coisas simples. Características que não consigo reconhecer facilmente nas crianças de hoje, hipnotizadas por um copo de refrigerante ou um saco daqueles biscoitos fedorentos. Não quero ser hipócrita em dizer que não como uma porcaria de vez em quando (olá TPM!), mas o que acho preocupante é a inversão de valores do que é exceção e regra. Tem uma turminha aí que nunca deve ter experimentado taioba, chuchu e quiabo. Ingredientes que são, simplesmente, minhas maiores paixões à mesa.

Um exemplo disso tudo é Bela Gil. De vez em quando entro na página do Facebook dela só para acompanhar a discrepância de comentários. Tem gente que entende a proposta de trabalho dela, aprende, adapta e, de alguma forma, busca melhorar a alimentação. Em contrapartida, tem gente que só falta chamar a moça de coisa ruim. Vejo essa reação como um simples reconhecimento de que ela está certa, que você – reclamão - come muito mal e não tem disposição para mudar.

Enfim, o dia que todos entenderem a importância de uma alimentação saudável o mundo será bem mais lindo. Digo isso porque alimentação saudável inclui tudo, como se preocupar com a cadeia produtiva, com o lixo que você gera e, essencialmente, com aquilo que come.