quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Tortinha de limão


Tem um tempinho que não posto uma receita aqui. Isso é um absurdo. E pelo motivo de demora resolvi punir presentear vocês com uma receitinha que é um absurdo de gostosa. Fácil, simples e bem prática. Faz bonito para as visitas e também para aqueles dias em que a #TPM implora por doces.

Ingredientes da massa:
2 ½ xícaras (chá) de farinha de trigo
5 colheres (sopa) de manteiga
5 colheres (sopa) de creme de leite
Raspas de limão
1 pitada de fermento em pó

Ingredientes do recheio:
2 latas de leite condensado
Suco de 5 limões

Ingredientes da cobertura:
3 claras em neve
5 colheres (sopa) de açúcar

Modo de preparo:
Para a massa, misturar todos os ingredientes com as pontas dos dedos até que ficar homogênea. Deixar descansar cerca de 30 minutos na geladeira. Abrir a massa em forminhas pequenas, fazer leves furinhos com o garfo e levar ao forno até começar a dourar. Para o recheio, misturar o leite condensado com o limão até tomar consistência (é só isso!). Para a cobertura, levar as claras com o açúcar em banho-maria mexendo bem devagar. Tenha cuidado para não deixar a clara cozinhar, é apenas para esquentar. Levar diretamente para a batedeira e bater até o creme esfriar e formar picos. Colocar o recheio na massa e cubrir com o merengue. Levar ao forno para dourar.

Dica: Eu gosto de servir a tortinha gelada com calda de chocolate quente. É só levar chocolate amargo e um pouco de creme de leite no fogo até derreter. ;) 

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Armazém do Porto

"O ceviche"

Foi numa sexta-feira de pré-carnaval que nos entregamos à folia gastronômica do Armazém do Porto. Que lugar, minha gente! A definição do estabelecimento é assim: restaurante, peixaria, sushi bar e armazém com variedade de produtos, como queijos, vinhos, azeites, conservas e tantos outros. E é isso mesmo, felizmente. A vontade de conhecer já existia há algum tempo, mas nas tentativas que fizemos a casa já estava lotada. Contudo, esse era o nosso dia. 

De cara já se nota a diferença do serviço pelo atendimento exemplar: atencioso e relaxado na medida certa. O clima é daqueles propícios para bons papos, onde a conversa vai longe. Das bebidas, fomos de cerveja, mas não deixei de conferir a carta de vinhos, que piscou para mim e já deixou forte o convite para voltar logo.

Papo vai, cerveja vem e começamos a comilança. O cardápio é uma tentação, com muita coisa interessante. Camarões salteados com ervas, atum grelhado e sashimis perfeitos. Teve prato que pedimos mais de uma vez de tão bom, como o salmão com calda de laranja e sal negro. Contudo, o melhor da noite foi, sem dúvidas, o ceviche. Com um corte de peixe diferente do convencional, acidez no ponto certo, cebola bem batidinha e levemente picante, o prato é sensacional.

Outra coisa que chama a atenção é a localização, bem perto da Praça da Estação. Sei não, mas acho que essa região tem potencial para se tornar um centro gastronômico de Juiz de Fora, desses bem charmosos que misturam boa gastronomia e ambiente descontraído.

Enfim, o Armazém do Porto é desses lugares que ficam na cabeça da gente. Mesmo com toda a função carnavalesca, eu e o marido falamos dele várias vezes entre uma marchinha e outra. O assunto era a saudade de um lugar que acabamos de visitar, mas que já mora em nosso coração. Voltaremos em breve, mesmo porque preciso comer o pastel de arraia, que até agora estou sentida por não ter experimentado.

Dica: Faça reserva com antecedência! ;)

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Wäls e Bohemia


O mundo cervejeiro sacudiu nessa terça-feira, dia 10 de fevereiro. Isso porque a cervejaria Wäls anunciou sua união à Ambev, por meio da Cervejaria Bohemia, de Petrópolis. Comandada pelos irmãos Tiago e José Felipe Carneiro, a Wäls tem uma linda história de família, que há 15 anos tem surpreendido o público com suas cervejas especiais.

Uma característica que sempre me chamou atenção na produção da Wäls é o cuidado que eles tem com tudo: a qualidade exemplar de suas cervejas; a receptividade na fábrica – transformada recentemente em Tasting Room; a preocupação em se posicionar no mercado; e, principalmente, o respeito pela história da cerveja artesanal. Sendo assim, não consigo pensar mal dessa nova fase da cervejaria.

Claro que muitas pessoas já começaram a bombardear a nova sociedade com a possibilidade da Ambev prejudicar a qualidade das cervejas artesanais. Esse risco existe sim. Mas, felizmente, existe também o risco da parceria ser um sucesso, facilitando o acesso da cervejaria a ingredientes, logística e novos mercados, assim como contribuir para o consumidor ter mais acesso às artesanais.

Conhecendo o histórico e comprometimento da Wäls, posso apostar que essa parceria só irá acrescentar à marca. Espero, pelo menos, que possa achar as cervas deles com mais facilidade em Juiz de Fora.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Gastrobier

Pastel de moqueca, receita de mãe e totalmente viciante.
Tem lugares que são uma boa surpresa na vida gastronômica da gente. Assim foi a descoberta do Gastrobier, um barzinho com boas pretensões gourmets. Esse texto até parece ter passado pelo raio gourmetizador... rs! Vou parar com isso e jogar um papo reto, desses que todo mundo entende.

Cerveja gelada e a promessa de um chopp de fabricação própria.

Música de qualidade com direito a vinil do Chico Buarque.

Gente jovem no comando que senta com os clientes para papear.

Petiscos deliciosos e alguns que carregam receita e tempero de mãe.

Mãe de proprietário que aparece no fim da noite para contar a história da receita.

Cunhado que trabalha na cozinha e mostra orgulhoso o que tem aprendido.

Dia de semana se transformando numa farra de varar a madrugada.

Virar cobaia de prato novo da casa e nem precisar palpitar de tão bom.

A conta, algumas saideiras e o convite para voltarmos mais vezes.

Convite aceito.