Pular para o conteúdo principal

Sabores de Bracher



“Encontrei-me com Minas Gerais através da pintura de Carlos Bracher”. Essa é a definição de Carlos Drummond de Andrade sobre o trabalho de Carlos Bernardo Bracher. O mineiro de Juiz de Fora, que mora em Ouro Preto e que tem reconhecimento em todo o país e exterior.

Para o artista, gastronomia e pintura são riquezas muito próximas, que se ligam na “espectralidade cromática infinda”.  Ele ressalta, ainda, que Minas é tradição e uma dessas vertentes está justamente na culinária, feita de uma gente miscigenada, os mineiros. “A culinária é um dos grandes capítulos da vida”, enfatiza o artista.

Conheça o que está no prato de Carlos Bracher.

Criança – Arroz de forno da minha mãe, aos domingos.

Amigos – Tomo cerveja, acompanhado de um tira-gosto imbatível: queijo gorgonzola ou grana padano.

Madrugada – Na calada da noite, às vezes vou à cozinha. Como ontem, que convidei minha esposa Fani para conversarmos algo. Não foi nada especial, apenas petiscos. Valeu não pelo que comemos, mas pela companhia.

Café da manhã – Não tomo café da manhã, infelizmente. Perco, de fato, o start do dia. Fazer o quê?

Restaurante – Quando meu amigo Sérgio Pereira da Silva vem a Ouro Preto, vamos direto ao Restaurante Deguste. Lá nos espera um bom chopp gelado e um frango com abobrinha. Tudo em um ambiente encantador, cercado de belas pedras.

Todo dia – Sempre arroz. Gosto tanto do arroz que como arroz com arroz, isto é, purinho. Feito na panela de pedra e torradinho, prato dos deuses. E costelinha de porco, pena que a Fani não deixa mais de uma vez por semana, é comer e sonhar.

Só amarrado – Jiló. Não sou dado a legumes em geral, só salvo o inhame.

Tradição – O que me apetece é a comida do dia-a-dia, que não cansa. As estripulias mágicas, as desventuras, ficam para os dias régios.

Bebendo – Cerveja, talvez meu vício maior. Nela encontro os prazeres (e por vezes os desastres) etílicos de minha necessidade física. Um bom copo ao lado de amigos queridos é beirar o paraíso.

Luxo – O luxo para mim é a simplicidade das descobertas, mas lógico que a um bom camarão ninguém consegue resistir.

Trabalhando – Quando pinto retratos, em geral, bebo cerveja com petiscos. E pintando vagarosamente, as cores soltas na paleta, parece que vou voar, entre sons e alucinações de uma emoção incontida. O álcool, na medida certa, faz parte deste prodígio, quando o homem vai encontrar um novo lado que se transparece, sobretudo, nos adventos artísticos.

 Conteúdo que produzi para o Gourmet Virtual há tempos, mas que não perde seu encanto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Assa peixe em Sabará

No final de novembro do ano passado estive em Sabará, bem pertinho da capital mineira, para participar do 27º Festival da Jabuticaba. Na época estava em uma correria e acabei não falando uma linha sobre o assunto aqui no blog. E agora vasculhando alguns arquivos achei um material bacana, receitas e dicas que vale contar para vocês. Além de servir de inspiração para participar do próximo festival, a cidade merece ser visitada sempre, pois os produtores artesanais, restaurantes e cozinheiros estão preparados para receber o ano todo.
Para começar, preciso contar a minha maior surpresa por lá, o assa peixe frito. É feito pelo cozinheiro Manoel Ferreira, que trabalha no restaurante do Parque Quinta dos Cristais. Ele conta que aprendeu a cozinhar com a mãe, que o ensinou não só o ofício, mas também o prazer em degustar e identificar os sabores presentes em cada garfada.
Para quem não conhece (assim como eu não conhecia), o assa peixe é uma urtiga, muito usada como planta medicinal. Mas nas m…

Fondue de torresmo

Tem algumas combinações na cozinha que são simplesmente perfeitas e que devem viver em eterna harmonia. Uma delas é angu com torresmo, paixão unânime na minha família. Às vezes, quando vamos para casa (casa dos pais será sempre a nossa casa), minha mãe já deixa o angu pronto, só esperando a nossa chegada. E, como todo clássico, é difícil encarar com riso fácil algum variação ou novidade daquilo que conhecemos desde criança. Mas, aí está a beleza da vida, se permitir a novas experimentações.

Assim conheci o Fondue de torresmo do Bar do Marquim, em Juiz de Fora. Confesso que fiquei ressabiada com a proposta, mas, quando provei, foi de enlouquecer. Angu bem molinho, com bastante queijo e torresmo crocante para mergulhar. Um afago à alma! Fácil, barato, saboroso e com gostinho de lembrança. Uma prova de que a vida pode ser simples e sensacional!
Bar do Marquim Rua Santo Antônio, 10, Centro – Esquina com Rua Paula Lima

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…