Pular para o conteúdo principal

Comida que emociona


Tem aquela comida para matar a vontade de comer. A que alimenta nosso ego (quando fazemos uma obra prima na cozinha!). Pode ser uma comida típica, cheia de valor cultural. Tem a nossa comidinha do dia a dia, que papai e mamãe nunca deixaram faltar à mesa. E teria outras tantas para falar aqui.
Ressalto aqui a comida que emociona pelo simples fato de alimentar quem tem fome. Essa sim, feita a mãos que não buscam apenas o salário no quinto dia útil do mês, mas que acreditam que cozinhar 700 quilos de arroz por dia muda sim alguma coisa. Que preparar mais de 5 mil refeições para o almoço, não é simplesmente uma profissão, mas sim um ato de cidadania. Pessoas que cozinham toneladas de carne por semana, com o tempero mais gostoso, amor.
Em visita a um dos Restaurantes Populares em Belo Horizonte, no meio de uma turma de aspirantes a cozinheiros, fui apresentada à realidade de uma cozinha grande. Seja em quantidade ou em alma.
Não é um trabalho voluntário, é como qualquer outro emprego ou, pelo menos, parecia ser. Tem as dificuldades de toda profissão: problemas com infraestrutura, ferramentas que não funcionam, fornecedores intransigentes e relação complicada com os patrões (e nesse caso estamos falando do patrão prefeitura).
O que mais me encantou nessa visita - não desmerecendo os grandiosos números de arroz, feijão e carne que são gastos pelo restaurante, bem como a rigorosa higiene do lugar - foi a declaração de uma das funcionárias do lugar. “Às vezes pensamos em fazer uma greve para reivindicações, mas quando pensamos em mais de 5 mil pessoas sem almoço, esquecemos dos problemas e tratamos de mexer as panelas”.
Diante disso, tudo mais que vi no restaurante ficou pequeno, ficou insignificante para escrever um texto a meus poucos e fiéis leitores. Não poderia contar a vocês outra coisa, senão essa comida que emociona.

Para quem quiser experimentar uma comida de qualidade, saudável, saborosa e emocionante, coloco os endereços dos restaurantes populares em BH:
- Próximo à Rodoviária – Avenida do Contorno, nº 1148, bairro Centro
- Setor hospitalar – Rua Ceará, nº 490, bairro Santa Efigênia
- Venda Nova – Rua Padre Pedro Pinto, nº 2277, Estação “BHBus”, bairro Venda Nova

Comentários

Legal o espírito cidadão da moça. Mas, no meu caso, se fizer comida para mais de dez pessoas, pode ter certeza de que alguma coisa não vai dar certo.
Dadivosa disse…
Mariana, também me emocionei com essas mãos que voltam a mexer as panelas. Obrigada por contar pra gente!
Um beijo ;***
Joyce Galvão disse…
Emociona mesmo. Esses dias vi uma palestra do Mesa Brasil e deu até vontade de chorar. Comida que emociona, e em um sentido bem mais amplo!
Roberto Pimenta disse…
Olá suave e ardida, parabéns por sua visão e comentário. Precisamos sim mexer as panelas para tentar diminuir a fome e acalentar os que necessitam. Um carinho pra VC!!!!
Absinto disse…
Interessantíssimo o seu tema. Também gosto de panelas e temperos. Um amigo, igualmente afeito ao ofíco, costumava dizer, enquanto servia a refeição preparada para os amigos: "Cozinhar é fazer amor por dentro". A imagem é forte, não? rss

Sucesso para você.
Absinto disse…
Interessantíssimo o seu tema. Também gosto de panelas e temperos. Um amigo, igualmente afeito ao ofíco, costumava dizer, enquanto servia a refeição preparada para os amigos: "Cozinhar é fazer amor por dentro". A imagem é forte, não? rss

Sucesso para você.
Renata Almeida disse…
q lindo!
comida q emociona mesmo!

bjos

Postagens mais visitadas deste blog

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…

Receita de bolo #casadinhos

Traduzir amor em comida é uma das melhores coisas da vida. Dá uma sensação boa preparar tudo com muito carinho e depois ver a pessoa degustando a comidinha com esse tempero especial. E uma das coisas que mais faço para agradar os que amo é bolo. De aniversário, gelado ou mesmo aquele simples, bem roceiro. Tudo é motivo para bolo! Ontem ganhei uma goiabada cremosa apetitosa que na mesma hora virou motivo de bolo. Com alguns minutos o tabuleiro já estava no forno, o cheiro tomando conta da casa e o maridinho abrindo aquele sorrisão de quem iria se esbaldar de bolo/amor.
Bolo de goiabada com queijo
Ingredientes: 4 ovos 2 colheres de manteiga ½ xícara de creme de leite 2 xícaras de açúcar 2/3 xícaras de leite 4 xícaras de farinha de trigo 1 colher de chá de fermento biológico 4 colheres de sopa de queijo minas ralado 4 colheres de sopa de goiabada cremosa 1 xícara de leite condensado
Modo de preparo:
Bater em uma batedeira as gemas, manteiga, creme de leite e açúcar até formar um creme. Acr…

Docinhos mágicos

Sou daquelas que troca cinquenta bombons com ouro comestível, florzinha de pasta americana e corante por um cajuzinho. Gosto dos tradicionais, dos sabores simples e verdadeiros. Aqueles docinhos honestos, que não tem gosto de produtos industrializados, mas que traduzem carinho em forma de bolinhas.
Gosto também das mãos por trás deles. Pessoas que não deixam essas receitas se perderem, criam outras e valorizam o artesanal. Eis que surgem os Docinhos Mágicos da Lylli Paper, marca recém-lançada por uma querida amiga. Tudo é feito artesanalmente e com um cuidado extremo para alegrar sua alma. Já provei os seguintes sabores: brigadeiro de paçoca, canela, coockie de morango (que me deixou desmaiada de amor), óreo, e os docinhos de leite ninho, beijinho e, minha paixão maior da vida, cajuzinho. As opções são diversas e o preço bem camarada, viu?
A Lylli Paper também faz projetos customizados para diversos eventos como aniversário, casamento, chá de panela, batizado e outros. Eles cuidam d…