Pular para o conteúdo principal

Comida que emociona


Tem aquela comida para matar a vontade de comer. A que alimenta nosso ego (quando fazemos uma obra prima na cozinha!). Pode ser uma comida típica, cheia de valor cultural. Tem a nossa comidinha do dia a dia, que papai e mamãe nunca deixaram faltar à mesa. E teria outras tantas para falar aqui.
Ressalto aqui a comida que emociona pelo simples fato de alimentar quem tem fome. Essa sim, feita a mãos que não buscam apenas o salário no quinto dia útil do mês, mas que acreditam que cozinhar 700 quilos de arroz por dia muda sim alguma coisa. Que preparar mais de 5 mil refeições para o almoço, não é simplesmente uma profissão, mas sim um ato de cidadania. Pessoas que cozinham toneladas de carne por semana, com o tempero mais gostoso, amor.
Em visita a um dos Restaurantes Populares em Belo Horizonte, no meio de uma turma de aspirantes a cozinheiros, fui apresentada à realidade de uma cozinha grande. Seja em quantidade ou em alma.
Não é um trabalho voluntário, é como qualquer outro emprego ou, pelo menos, parecia ser. Tem as dificuldades de toda profissão: problemas com infraestrutura, ferramentas que não funcionam, fornecedores intransigentes e relação complicada com os patrões (e nesse caso estamos falando do patrão prefeitura).
O que mais me encantou nessa visita - não desmerecendo os grandiosos números de arroz, feijão e carne que são gastos pelo restaurante, bem como a rigorosa higiene do lugar - foi a declaração de uma das funcionárias do lugar. “Às vezes pensamos em fazer uma greve para reivindicações, mas quando pensamos em mais de 5 mil pessoas sem almoço, esquecemos dos problemas e tratamos de mexer as panelas”.
Diante disso, tudo mais que vi no restaurante ficou pequeno, ficou insignificante para escrever um texto a meus poucos e fiéis leitores. Não poderia contar a vocês outra coisa, senão essa comida que emociona.

Para quem quiser experimentar uma comida de qualidade, saudável, saborosa e emocionante, coloco os endereços dos restaurantes populares em BH:
- Próximo à Rodoviária – Avenida do Contorno, nº 1148, bairro Centro
- Setor hospitalar – Rua Ceará, nº 490, bairro Santa Efigênia
- Venda Nova – Rua Padre Pedro Pinto, nº 2277, Estação “BHBus”, bairro Venda Nova

Comentários

Legal o espírito cidadão da moça. Mas, no meu caso, se fizer comida para mais de dez pessoas, pode ter certeza de que alguma coisa não vai dar certo.
Dadivosa disse…
Mariana, também me emocionei com essas mãos que voltam a mexer as panelas. Obrigada por contar pra gente!
Um beijo ;***
Joyce Galvão disse…
Emociona mesmo. Esses dias vi uma palestra do Mesa Brasil e deu até vontade de chorar. Comida que emociona, e em um sentido bem mais amplo!
Roberto Pimenta disse…
Olá suave e ardida, parabéns por sua visão e comentário. Precisamos sim mexer as panelas para tentar diminuir a fome e acalentar os que necessitam. Um carinho pra VC!!!!
Absinto disse…
Interessantíssimo o seu tema. Também gosto de panelas e temperos. Um amigo, igualmente afeito ao ofíco, costumava dizer, enquanto servia a refeição preparada para os amigos: "Cozinhar é fazer amor por dentro". A imagem é forte, não? rss

Sucesso para você.
Absinto disse…
Interessantíssimo o seu tema. Também gosto de panelas e temperos. Um amigo, igualmente afeito ao ofíco, costumava dizer, enquanto servia a refeição preparada para os amigos: "Cozinhar é fazer amor por dentro". A imagem é forte, não? rss

Sucesso para você.
Renata Almeida disse…
q lindo!
comida q emociona mesmo!

bjos

Postagens mais visitadas deste blog

Assa peixe em Sabará

No final de novembro do ano passado estive em Sabará, bem pertinho da capital mineira, para participar do 27º Festival da Jabuticaba. Na época estava em uma correria e acabei não falando uma linha sobre o assunto aqui no blog. E agora vasculhando alguns arquivos achei um material bacana, receitas e dicas que vale contar para vocês. Além de servir de inspiração para participar do próximo festival, a cidade merece ser visitada sempre, pois os produtores artesanais, restaurantes e cozinheiros estão preparados para receber o ano todo.
Para começar, preciso contar a minha maior surpresa por lá, o assa peixe frito. É feito pelo cozinheiro Manoel Ferreira, que trabalha no restaurante do Parque Quinta dos Cristais. Ele conta que aprendeu a cozinhar com a mãe, que o ensinou não só o ofício, mas também o prazer em degustar e identificar os sabores presentes em cada garfada.
Para quem não conhece (assim como eu não conhecia), o assa peixe é uma urtiga, muito usada como planta medicinal. Mas nas m…

Fondue de torresmo

Tem algumas combinações na cozinha que são simplesmente perfeitas e que devem viver em eterna harmonia. Uma delas é angu com torresmo, paixão unânime na minha família. Às vezes, quando vamos para casa (casa dos pais será sempre a nossa casa), minha mãe já deixa o angu pronto, só esperando a nossa chegada. E, como todo clássico, é difícil encarar com riso fácil algum variação ou novidade daquilo que conhecemos desde criança. Mas, aí está a beleza da vida, se permitir a novas experimentações.

Assim conheci o Fondue de torresmo do Bar do Marquim, em Juiz de Fora. Confesso que fiquei ressabiada com a proposta, mas, quando provei, foi de enlouquecer. Angu bem molinho, com bastante queijo e torresmo crocante para mergulhar. Um afago à alma! Fácil, barato, saboroso e com gostinho de lembrança. Uma prova de que a vida pode ser simples e sensacional!
Bar do Marquim Rua Santo Antônio, 10, Centro – Esquina com Rua Paula Lima

Lenda do bacuri

Outra lenda interessante é sobre a origem do bacuri. Dizem que, certo dia, na floresta, apareceu a cabeça de um índio caxinauá, que havia sido degolado por um de seus companheiros. A cabeça aterrorizava a tribo com exigências que deveriam ser cumpridas para evitar que não lhes fosse tirada a vida. Todos deviam buscar, na floresta, um fruto amarelo escuro e manchado, com casca dura e uma polpa deliciosa, vindo de uma árvore cheia de flores avermelhadas. Os índios obedeceram às ordens por muito tempo até que um dia alguém resolveu experimentar o fruto, sendo seguido por todos os outros índios. A cabeça ficou muito brava e se transformou na Lua. Depois disso, sempre que comiam a fruta, davam as costas para Lua.