Pular para o conteúdo principal

O Zezé

Ontem fiz uma vista ao Bar do Zezé, que ficou conhecido através do Comida di Buteco. Aliás, o bar não existia antes disso, era uma mercearia com algumas mesas apenas. Já na primeira participação no CDB, o bar levou o primeiro lugar e não parou mais. Em 7 anos de participação, foi duas vezes o primeiro lugar, três o segundo, uma no terceiro e uma para o quarto lugar. É um sucesso, sem dúvidas. E também não tenho a intenção de discutir isso.
Em nossa conversa, entre causos e histórias, Zezé por algumas vezes ficou corado de emoção ao falar de sua vida. Já eu, fiquei uma única vez, mas não só corada, junto veio o arrepio, a palpitação e tudo mais que um momento de emoção permite.
O motivo disso tudo eu explico. Perguntei a Zezé qual era o segredo de tanto sucesso e tive como resposta o que já esperava: amor ao que faz, união da família, acreditar no sonho, etc. Fiquei satisfeita com a resposta, era o que queria ouvir. Adiante na prosa e Zezé me conta, com a maior naturalidade, como foi a relação com a fiel clientela quando a mercearia se transformou em bar.
“Meus clientes eram do tipo cadernetinha, anotavam tudo lá e vinham no princípio do mês acertar a conta. Pagavam a soma do mês anterior e anotavam novamente. Era sempre assim. Quando a mercearia acabou, eu não podia cobrar tudo deles, pois eles iam precisar de dinheiro para comprar em outro lugar. Menina, dinheiro de pobre é contado! Então, combinei com eles que iriam me pagar uma parte, o que pudessem. Assim, iam ter dinheiro para as compras daquele mês”
Eis a receita de sucesso dele. Com essa resposta não fiquei satisfeita, mas completamente encantada. Gente, descobri que Zezé é o cara. Gente, o mundo precisa de mais caras assim.

Vale uma visita ao bar e, principalmente, a Zezé
Rua Pinheiro Chagas, 406 - Barreiro de Baixo
Belo Horizonte - MG
Tel: (31) 3384 2444

Comentários

Mattosquela disse…
Nossa deu muita vontade de conhecer, e de provar os quitutes também!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Assa peixe em Sabará

No final de novembro do ano passado estive em Sabará, bem pertinho da capital mineira, para participar do 27º Festival da Jabuticaba. Na época estava em uma correria e acabei não falando uma linha sobre o assunto aqui no blog. E agora vasculhando alguns arquivos achei um material bacana, receitas e dicas que vale contar para vocês. Além de servir de inspiração para participar do próximo festival, a cidade merece ser visitada sempre, pois os produtores artesanais, restaurantes e cozinheiros estão preparados para receber o ano todo.
Para começar, preciso contar a minha maior surpresa por lá, o assa peixe frito. É feito pelo cozinheiro Manoel Ferreira, que trabalha no restaurante do Parque Quinta dos Cristais. Ele conta que aprendeu a cozinhar com a mãe, que o ensinou não só o ofício, mas também o prazer em degustar e identificar os sabores presentes em cada garfada.
Para quem não conhece (assim como eu não conhecia), o assa peixe é uma urtiga, muito usada como planta medicinal. Mas nas m…

Lenda do bacuri

Outra lenda interessante é sobre a origem do bacuri. Dizem que, certo dia, na floresta, apareceu a cabeça de um índio caxinauá, que havia sido degolado por um de seus companheiros. A cabeça aterrorizava a tribo com exigências que deveriam ser cumpridas para evitar que não lhes fosse tirada a vida. Todos deviam buscar, na floresta, um fruto amarelo escuro e manchado, com casca dura e uma polpa deliciosa, vindo de uma árvore cheia de flores avermelhadas. Os índios obedeceram às ordens por muito tempo até que um dia alguém resolveu experimentar o fruto, sendo seguido por todos os outros índios. A cabeça ficou muito brava e se transformou na Lua. Depois disso, sempre que comiam a fruta, davam as costas para Lua.

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…