Pular para o conteúdo principal

Orgulho de Minas...

Das montanhas de Minas Gerais, inconfidentes ensaiaram um grito no final do século XVIII. A luta era contra a opressão dos colonizadores portugueses que, dentre outras exigências, proibia atividades fabris e artesanais. Tempos depois, outros mineiros também ensaiam um grito. Eles, que já foram tachados de loucos e sonhadores, conspiraram algum tempo até decidirem que é chegado o momento. É a hora de subir em montanhas e se fazer ecoar por horizontes distantes. Agora, é fazer valer a bandeira idealizada pelos inconfidentes e que se tornou representação do Estado. “Liberdade ainda que tardia”. Reconhecimento da gastronomia mineira ainda que tardio.
Esse movimento é a Conspiração Gastronômica, fundada por meio de uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), não por acaso, no dia 21 de abril. A luta é para promover, divulgar e preservar os produtos e a cultura gastronômica de Minas Gerais, levando-a para todo o Brasil e exterior.
Para isso, está sendo criado um “selo” que irá reconhecer e classificar os produtos mineiros autênticos e de qualidade. Uma forma de valorizar o produtor e difundir os ingredientes típicos do Estado. É resgatar aquelas tais atividades fabris e artesanais que, carregadas de identidade cultural de um povo, foram proibidas pela Coroa Portuguesa em 1785. É aliar a tradição à modernidade, é acompanhar a evolução mundial da gastronomia, mas sem esquecer suas origens.
A Inconfidência Mineira representa para os mineiros um símbolo de resistência e luta pelos seus direitos. E, assim como aqueles, temos estes outros, os inconfidentes de um novo tempo, por uma nova causa, mas que trazem marcas de um povo sabido e corajoso. Os nossos “Joaquim” são Eduardo Avelar, Eduardo Maya e Ralph Justino.
Cada um tem uma história particular e traz sua história de vida para a Conspiração. Avelar é chef de cozinha e responsável pelo Guia Sabores de Minas, um projeto que, pelo jornal Estado de Minas, viaja por todo o Estado, pesquisando e descobrindo em cada canto as belezas escondidas em nossas cozinhas. Esse trabalho traz para a Conspiração Gastronômica a experiência com mapeamento dos produtos de origem em Minas Gerais.
Já Eduardo Maya, também chef e empresário, é responsável pelo Comida Di Buteco, evento que, há mais de dez anos, vem difundindo a cultura de botecos em Minas Gerais. Com o Comida Di Buteco, o conceito de bares no Estado mudou, uma vez que foi resgatada a bela cultura de botecos. Esse projeto conspira com o resgate da identidade cultural dos mineiros, a forma como Minas se orgulha, por exemplo, de ter bar, e não mar.
E Ralph Justino, um empresário apaixonado por gastronomia, é o idealizador do Festival de Gastronomia de Tiradentes, um evento que faz parte do calendário gastronômico e conhecido por colocar Tiradentes no mapa. Nos dias do festival, a cidade respira o melhor da gastronomia nacional e internacional, permeada pela tradição de Minas Gerais. Esse trabalho mostra a força do Estado ao consolidar sua gastronomia.
A partir dessa aliança, o trio tem conseguido atrair gente de toda a sociedade mineira, pessoas que fizeram e fazem parte da história deste Estado. Mineiros unidos por uma causa, uma nobre causa que tem gosto de queijo e goiabada.

“Ser mineiro é dormir no chão para não cair
da cama. Mineiro não dá ponto sem nó. Não
conversa, confabula. Não combina, conspira.”
Fernando Sabino

*Texto produzido especialmente para Revista Sabores e que divido aqui com vocês...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…

Receita de bolo #casadinhos

Traduzir amor em comida é uma das melhores coisas da vida. Dá uma sensação boa preparar tudo com muito carinho e depois ver a pessoa degustando a comidinha com esse tempero especial. E uma das coisas que mais faço para agradar os que amo é bolo. De aniversário, gelado ou mesmo aquele simples, bem roceiro. Tudo é motivo para bolo! Ontem ganhei uma goiabada cremosa apetitosa que na mesma hora virou motivo de bolo. Com alguns minutos o tabuleiro já estava no forno, o cheiro tomando conta da casa e o maridinho abrindo aquele sorrisão de quem iria se esbaldar de bolo/amor.
Bolo de goiabada com queijo
Ingredientes: 4 ovos 2 colheres de manteiga ½ xícara de creme de leite 2 xícaras de açúcar 2/3 xícaras de leite 4 xícaras de farinha de trigo 1 colher de chá de fermento biológico 4 colheres de sopa de queijo minas ralado 4 colheres de sopa de goiabada cremosa 1 xícara de leite condensado
Modo de preparo:
Bater em uma batedeira as gemas, manteiga, creme de leite e açúcar até formar um creme. Acr…

Docinhos mágicos

Sou daquelas que troca cinquenta bombons com ouro comestível, florzinha de pasta americana e corante por um cajuzinho. Gosto dos tradicionais, dos sabores simples e verdadeiros. Aqueles docinhos honestos, que não tem gosto de produtos industrializados, mas que traduzem carinho em forma de bolinhas.
Gosto também das mãos por trás deles. Pessoas que não deixam essas receitas se perderem, criam outras e valorizam o artesanal. Eis que surgem os Docinhos Mágicos da Lylli Paper, marca recém-lançada por uma querida amiga. Tudo é feito artesanalmente e com um cuidado extremo para alegrar sua alma. Já provei os seguintes sabores: brigadeiro de paçoca, canela, coockie de morango (que me deixou desmaiada de amor), óreo, e os docinhos de leite ninho, beijinho e, minha paixão maior da vida, cajuzinho. As opções são diversas e o preço bem camarada, viu?
A Lylli Paper também faz projetos customizados para diversos eventos como aniversário, casamento, chá de panela, batizado e outros. Eles cuidam d…