sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Vida longa à flor


A história toda começou com a Chef Roberta Sudbrack e o assunto foi crescendo e ganhando simpatizantes ao movimento. O blog Cuecas na Cozinha disse, a Luciana Fróes enfatizou, o portal Malagueta também deu sua pitada e, para finalizar, Josimar Melo se pronunciou.
Essa movimentação toda está acontecendo em função da flor de sal, que por não ter a quantidade estabelecida de iodo, conforme legislação vigente, está a perigo. Assim, o produto que, na maior parte, é trazido da França, está sendo barrado na importação.
“Ora, adicionar iodo à flor de sal, um produto absolutamente natural e por isso mesmo sensacional, é que os franceses não vão! E nem devem!”, defende Roberta em seu blog.
O assunto tem sido bastante falado, mas até agora (eu ainda não vi nada!) as autoridades e órgãos responsáveis não se pronunciaram. E nem sei se vão. Mas uma questão que tem sido ponderada é o fato da flor de sal ser um produto natural e utilizado em ocasiões especiais na cozinha. Ela é usada mais para finalizações de pratos, sendo que, permanece o uso do tradicional sal, cheio de iodo, atendendo assim a necessidade desse mineral no nosso corpo.
Então, salvemos a flor de sal!

Um comentário:

Hussan disse...

Acredito que esta proibição vêm do fato de o acesso ao produto ser indiscriminado, sem nenhum tipo de informação previnindo o uso cotidiano, fato que, COM CERTEZA, geraria problemas de saúde.

Acho que os profissionais da área da alimentação deveriam se organizar para que houvesse uma venda mais regrada do produto, como por exemplo, mais informações no rótulo sobre as consequências do uso rotineiro, sobre a importância do iodo no nosso organismo e outras coisas neste sentido informativo.
Afinal, informação eh tudo!!!