Pular para o conteúdo principal

Qual o som da sua cozinha?



Além de panelas, tampas e batedeiras, a cozinha tem um som especial, pelo menos na minha é assim. Acho que para aqueles que gostam de cozinhar e celebrar o momento, nada melhor que uma música para embalar a sintonia das receitas. Para quem tem prazer em escolher os ingredientes perfeitos, pensar a composição do prato e se entregar à cozinha, nada melhor do que uma trilha sonora especial.
Quando estou na cozinha, a música sempre está lá. São duas artes, manifestações culturais que se encontram e inspiram. Em dias que cozinho para alguém especial, Chico é uma boa opção. Para os dias que cozinho para muitos, prefiro músicas mais animadas, Lenine é certo. Nos dias que a tristeza é motivação, prefiro Cazuza, como é bom viver um drama. Já em dias que cozinho para mim, feliz da vida, Vinícius dá o Tom. Tem muitos outros CDs (isso mesmo, nada de MPSei lá o que) que não saem do repertório.

Qual o som da sua cozinha?

Comentários

Malu Machado disse…
Mas não é verdade? Na minha cozinha tem dias de sons alegres.gosto muito daquela assim: Alguém colocou, um novo ingrediente na ração... Nos ultimos dias tenho evocado Gonzaguinha, ando meio melancóolica. O som diz tudo de nós. E sabe o que mais me impressiona? É que quem está ao nosso lado, por mais atencioso que seja, não percebe.

Parabéns pelo cardápio variado. Aguardo uma visita sua no meu blog.
Mattosquela disse…
Nos ultimos tempos tenho ido de Chico também! Chamo o Vinícios com o Baden Power, volta e meia! Mas música de fato não pode faltar!

Na hora de cozinhar e na hora de faxinar a casa e a alma!

Beijos querida!
Gostei de ver a Malu por aqui!!!
Marina Lua disse…
Que texto gostoso de ler e ouvir. Ouvir sim, porque consegui ouvir as melodias do chico buarque enquanto lia o texto.. ah, minha cozinha tem sons bem parecidos com os da sua.. beijos!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Assa peixe em Sabará

No final de novembro do ano passado estive em Sabará, bem pertinho da capital mineira, para participar do 27º Festival da Jabuticaba. Na época estava em uma correria e acabei não falando uma linha sobre o assunto aqui no blog. E agora vasculhando alguns arquivos achei um material bacana, receitas e dicas que vale contar para vocês. Além de servir de inspiração para participar do próximo festival, a cidade merece ser visitada sempre, pois os produtores artesanais, restaurantes e cozinheiros estão preparados para receber o ano todo.
Para começar, preciso contar a minha maior surpresa por lá, o assa peixe frito. É feito pelo cozinheiro Manoel Ferreira, que trabalha no restaurante do Parque Quinta dos Cristais. Ele conta que aprendeu a cozinhar com a mãe, que o ensinou não só o ofício, mas também o prazer em degustar e identificar os sabores presentes em cada garfada.
Para quem não conhece (assim como eu não conhecia), o assa peixe é uma urtiga, muito usada como planta medicinal. Mas nas m…

Fondue de torresmo

Tem algumas combinações na cozinha que são simplesmente perfeitas e que devem viver em eterna harmonia. Uma delas é angu com torresmo, paixão unânime na minha família. Às vezes, quando vamos para casa (casa dos pais será sempre a nossa casa), minha mãe já deixa o angu pronto, só esperando a nossa chegada. E, como todo clássico, é difícil encarar com riso fácil algum variação ou novidade daquilo que conhecemos desde criança. Mas, aí está a beleza da vida, se permitir a novas experimentações.

Assim conheci o Fondue de torresmo do Bar do Marquim, em Juiz de Fora. Confesso que fiquei ressabiada com a proposta, mas, quando provei, foi de enlouquecer. Angu bem molinho, com bastante queijo e torresmo crocante para mergulhar. Um afago à alma! Fácil, barato, saboroso e com gostinho de lembrança. Uma prova de que a vida pode ser simples e sensacional!
Bar do Marquim Rua Santo Antônio, 10, Centro – Esquina com Rua Paula Lima

Lenda do bacuri

Outra lenda interessante é sobre a origem do bacuri. Dizem que, certo dia, na floresta, apareceu a cabeça de um índio caxinauá, que havia sido degolado por um de seus companheiros. A cabeça aterrorizava a tribo com exigências que deveriam ser cumpridas para evitar que não lhes fosse tirada a vida. Todos deviam buscar, na floresta, um fruto amarelo escuro e manchado, com casca dura e uma polpa deliciosa, vindo de uma árvore cheia de flores avermelhadas. Os índios obedeceram às ordens por muito tempo até que um dia alguém resolveu experimentar o fruto, sendo seguido por todos os outros índios. A cabeça ficou muito brava e se transformou na Lua. Depois disso, sempre que comiam a fruta, davam as costas para Lua.