Pular para o conteúdo principal

Entrevistando: Deise Novakoski

Eu já conhecia. Da televisão, de entrevistas e livros. De uma harmonização aqui e um Dry Martini lá. Por ser ela a primeira sommelière mulher do Brasil. Mas o que acabei de conhecer foi seu jeito divertido e franco de responder umas perguntinhas perdidas em um dia chuvoso.

Qual maior desafio já vivido?
Equilibrar-me com a balança.

Você sempre participa de programas de televisão, seja como entrevistada ou como apresentadora. Como vê a relação de mídia e gastronomia?
Nunca pensei sobre isso, mas acho que tudo o que fazemos é para ser consumido, seja lá de que maneira for. Portanto, a mídia é fundamental para atingirmos este objetivo.

Assim como os ingredientes brasileiros tem ganhado destaque em pratos, você acha que essa tendência pode ser percebida também nos copos e taças?
Só nas taças de espumantes e nos copitos de cachaça - nos demais produtos corretos produzidos no país, nada é destacável a ponto de despertar a curiosidade do consumidor de outras culturas. Além disso, temos uma enorme indústria de péssimas bebidas. Fora as aguardentes produzidas artesanalmente, os demais destilados são de matar, na verdade. Nossas cervejas beiram a mediocridade se comparadas com as produzidas mundo a fora. Ah, deixa quieto que já já a Ambev me interdita....

E essa tal mixologia molecular?
Gosto! Acho positivo por dois motivos: obriga os profissionais a estudarem mais profundamente a composição dos coquetéis. E, faz com que o consumidor pare para apreciar e degustar cada gotinha/pedacinho do seu drinque.

O que mais encanta em uma bebida?
O sabor.

Qual harmonização perfeita?
Amigos + boa comida+ boa bebida + um bucadim de dinheiro só pra comprar o que for preciso pra cozinhar e beber.

Sua bebida favorita?
Água.

O que não dá para engolir?
Vinhos feitos com uva torrontes – parecem argentinos com a barba delineada e perfumada – ui que horror!

Quais são suas referências?
Atrás da loura, depois do gordo, tá vendo o careca?

Quais projetos desenvolve atualmente?
Nenhum. Projeto é coisa de quem não tem emprego, dou duro todos os dias. Hoje trabalho em cinco lugares: Eça, Globo, GNT, Zona Sul e aqui em casa. Deste último peço demissão. Não recebo, o patrão é bravo e ainda por cima não me deixa beber no serviço.

Fale um pouco sobre seu lado escritora.
Escrever foi o jeito que arranjei de continuar falando - pelos cotovelos, sobre meu marido e meus filhos: o vinho e os coquetéis.

E fale o que mais quiser, se quiser, como quiser...
Só acrescentar que se eu pudesse começar tudo novamente eu repetiria tudo sem tirar nem por. Ou pondo e tirando, como queira. Mas que repetiria, isso eu repetiria. Oh, vida boa sô!!!

Comentários

Ciça Roxo disse…
Ardidíssima, do jeito que eu gosto.
De fato a Deise é uma delícia, um tempero, uma zest que dá "a" graça da receita.
Gostei da receita de harmonização.
Valeu!
bjs,
Ciça Roxo
maroch disse…
Por mais ardidas que sejam - mulheres são sempre suaves!

Ainda mais Deise Novakoski.

Suave feito dia de maré baixa no mirante do leblon.

Ótima entrevista!
Não conheço a Deise pessoalmente mas ja li sobre ela. É exatamente a pessoa da entrevista. Suas respostas são certas e diretas. Isto é bom. Experiência a ela não falta.
Mariana, parabéns pela iniciativa, entrevista e escolha do entrevistado. Sucesso sempre para você.
Carlos Pita
Mattosquela disse…
Que delícia de entrevista!

Que entrevistada mais encantadora, ironica e talentosa!

Que entrevistadora mais encantadora, talentosa e de bom gosto!

Aplausos!

Ps: Li no facebook que o acesso por aqui está nas alturas... vamos comentar aí povo! Blog comentado = blogueiro feliz
Heiko Grabolle disse…
Oi Mariana, gostei muito da entrevista, parabens! A Deise Novakoski sempre surpreende né?

Abracos
Chef alemao Heiko Grabolle
Felipe Tavares disse…
Bota franco nisto!rs Entrevista feita com pimenta?rs Parabens pela matéria!
Bota feliz nisso Mattosquela... obrigada a todos!! Beijinhos!!

Postagens mais visitadas deste blog

Assa peixe em Sabará

No final de novembro do ano passado estive em Sabará, bem pertinho da capital mineira, para participar do 27º Festival da Jabuticaba. Na época estava em uma correria e acabei não falando uma linha sobre o assunto aqui no blog. E agora vasculhando alguns arquivos achei um material bacana, receitas e dicas que vale contar para vocês. Além de servir de inspiração para participar do próximo festival, a cidade merece ser visitada sempre, pois os produtores artesanais, restaurantes e cozinheiros estão preparados para receber o ano todo.
Para começar, preciso contar a minha maior surpresa por lá, o assa peixe frito. É feito pelo cozinheiro Manoel Ferreira, que trabalha no restaurante do Parque Quinta dos Cristais. Ele conta que aprendeu a cozinhar com a mãe, que o ensinou não só o ofício, mas também o prazer em degustar e identificar os sabores presentes em cada garfada.
Para quem não conhece (assim como eu não conhecia), o assa peixe é uma urtiga, muito usada como planta medicinal. Mas nas m…

Fondue de torresmo

Tem algumas combinações na cozinha que são simplesmente perfeitas e que devem viver em eterna harmonia. Uma delas é angu com torresmo, paixão unânime na minha família. Às vezes, quando vamos para casa (casa dos pais será sempre a nossa casa), minha mãe já deixa o angu pronto, só esperando a nossa chegada. E, como todo clássico, é difícil encarar com riso fácil algum variação ou novidade daquilo que conhecemos desde criança. Mas, aí está a beleza da vida, se permitir a novas experimentações.

Assim conheci o Fondue de torresmo do Bar do Marquim, em Juiz de Fora. Confesso que fiquei ressabiada com a proposta, mas, quando provei, foi de enlouquecer. Angu bem molinho, com bastante queijo e torresmo crocante para mergulhar. Um afago à alma! Fácil, barato, saboroso e com gostinho de lembrança. Uma prova de que a vida pode ser simples e sensacional!
Bar do Marquim Rua Santo Antônio, 10, Centro – Esquina com Rua Paula Lima

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…