Pular para o conteúdo principal

Chocolate dos Deuses


Lineu, em 1573, nomeou a árvore de cacau de Theobroma cacao. A designação do gênero (o primeiro nome) vem do grego e significa “alimento dos deuses”. Antes de ser nomeado, em 1554, o cacau foi levado por frades dominicanos da América para a Espanha. Juntos com uma delegação da nobreza maia, os frades apresentaram o chocolate batido para o príncipe Filipe, futuro rei Filipe II, que, segundo historiadores da alimentação, não gostou nem um pouco do produto.
Maias e astecas consumiam o produto batido. Diz-se que os astecas, abstêmios, gostavam da bebida pelo fato de ela não ser alcoólica. Além de triturar a semente para a produção da bebida, usavam-na como moeda. Bebiam o cacahuatl frio. Trituravam as sementes, pulverizavam com água, coavam e filtravam o preparado. Em seguida entornavam o líquido de uma vasilha a outra para a formação de espuma e a bebiam, amarga e fria.
No século XVII, como resultado do processo de colonização, o cacau encontrou-se com o açúcar e passou a ser consumido como bebida quente. Dizem que os espanhóis, que consumiam muita carne e toucinho, tinham “constipação crônica” e buscaram o cacau como laxante. Dizem, também, que a fama de bebida afrodisíaca fundamentava o desejo dos espanhóis em consumi-la. E a nomearam de chocolate por não gostarem de um nome de produto alimentício começado com caca. Afinal, caca sempre foi um vocábulo chulo que, desde o latim, designa fezes. Essa bebida dos deuses não poderia chamar cacahuatl. Chocolate era nome muito mais adequado.
O chocolate tornou-se cada vez mais popular ao longo dos últimos séculos e é uma bebida apresentada em várias versões: ao leite, branco, meio amargo, com amêndoas, avelãs, etc. Tem alto valor calórico e é muito nutritivo. Rico em proteínas, gorduras, cálcio, magnésio, ferro, zinco, caroteno, vitaminas E, B1, B2, B6, B12 e C. Estudos atuais recomendam o consumo moderado do chocolate preto por sua riqueza em flavonóides, com função cardioprotetora. O cacau tem propriedades antioxidantes e o chocolate é produto estimulante devido à teobromina e à cafeína. A sua ingestão faz com que o corpo libere neurotransmissores, como a endomorfina.
Mas e o gosto? É preciso dizer sobre ele, se é o alimento dos deuses?

José Newton Coelho Meneses
Historiador – Departamento de História/FAFICH/UFMG
Meu agradecimeto a José Newton, é uma honra ter sua participação no blog.

Comentários

Luciana disse…
Oi Mariana, muito legal colocar texto de outras pessoas. O espaço está aberto? Abraços.
Samuel disse…
Adorei o texto, muito legal José Newton.
Aline Saluz disse…
Mariana, tem como me passar o contato do historiador. Sabe se ele é pesquisar só de alimentos?
Abraços =)
Oi Luciana, está aberto sim, se quiser, me mande o material para o email que dou uma olhada. Abraços!
Olá Aline, o José Newton foi responsável pela pesquisa que embasou o certificado do modo artesanal de fabricação do queijo minas como patrimônio cultural brasileiro pelo Iphan. Vou verificar se ele tem mais pesquisas nessa área. Me passa seu contato que vamos nos falando. Abraços.

Postagens mais visitadas deste blog

Assa peixe em Sabará

No final de novembro do ano passado estive em Sabará, bem pertinho da capital mineira, para participar do 27º Festival da Jabuticaba. Na época estava em uma correria e acabei não falando uma linha sobre o assunto aqui no blog. E agora vasculhando alguns arquivos achei um material bacana, receitas e dicas que vale contar para vocês. Além de servir de inspiração para participar do próximo festival, a cidade merece ser visitada sempre, pois os produtores artesanais, restaurantes e cozinheiros estão preparados para receber o ano todo.
Para começar, preciso contar a minha maior surpresa por lá, o assa peixe frito. É feito pelo cozinheiro Manoel Ferreira, que trabalha no restaurante do Parque Quinta dos Cristais. Ele conta que aprendeu a cozinhar com a mãe, que o ensinou não só o ofício, mas também o prazer em degustar e identificar os sabores presentes em cada garfada.
Para quem não conhece (assim como eu não conhecia), o assa peixe é uma urtiga, muito usada como planta medicinal. Mas nas m…

Lenda do bacuri

Outra lenda interessante é sobre a origem do bacuri. Dizem que, certo dia, na floresta, apareceu a cabeça de um índio caxinauá, que havia sido degolado por um de seus companheiros. A cabeça aterrorizava a tribo com exigências que deveriam ser cumpridas para evitar que não lhes fosse tirada a vida. Todos deviam buscar, na floresta, um fruto amarelo escuro e manchado, com casca dura e uma polpa deliciosa, vindo de uma árvore cheia de flores avermelhadas. Os índios obedeceram às ordens por muito tempo até que um dia alguém resolveu experimentar o fruto, sendo seguido por todos os outros índios. A cabeça ficou muito brava e se transformou na Lua. Depois disso, sempre que comiam a fruta, davam as costas para Lua.

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…