Pular para o conteúdo principal

A cozinha da vovó - parte 03 (Respeito, sempre)


Respeito, sempre
Fartura, uma palavrinha pequena e tão grande. Um significado aprendido com vovó, que me ensinou a essencial diferença entre uma mesa farta e uma que acaba em desperdício. Sempre fiquei imaginando a vida dela criando treze filhos, morando um bom tempo em ambiente rural e precisando fazer mágica com os alimentos. Aliás, não só ela, mas muitas de seu tempo davam conta de pilar o próprio arroz, produzir o queijo, armazenar latas de carne e por aí vai. Não havia espaço para desperdício, a comida era suada e muito bem contada. 
Lembro-me perfeitamente de vovó me colocando para raspar com o dedo os restinhos de clara nas cascas de ovos. Um pouco depois, me recordo também dos puxões de orelha quando deixava restos generosos de alguma massa na bacia. Tinha que voltar ao ofício até não restar nadinha. Esses momentos sempre vinham acompanhados de um discurso fervoroso sobre o respeito aos alimentos. 
Sou imensamente grata por esses ensinamentos e pelo entendimento que isso me trouxe. Com o tempo, consegui perceber que o aproveitamento não é fundamental apenas para sua receita render mais. Ele é essencial para o equilíbrio de uma sociedade, de um ambiente. Hoje consigo enxergar toda a cadeia produtiva envolvida naquele mamão que se perdeu e foi parar no lixo. Ainda mais, o que isso representa na mesa daqueles que não possuem condições alimentares. Aprendi que aproveitar bem os alimentos é a melhor forma de agradecimento por tê-los. 
Quando penso em tudo isso me vem a lembrança de vovó aproveitando cada parte dos alimentos. Cascas, sementes e bagaços viravam algum preparo, comida para as criações no quintal ou esterco dos bons para a horta. Nessa recordação, cascas de abacaxi viravam uma deliciosa geleia, que para os netos recebia o nome de “melzinho de abacaxi”. Um doce na boca e uma lição para vida. 

Melzinho de abacaxi
Ingredientes
Cascas de 2 abacaxis
Água
2 xícaras de chá de açúcar

Modo de preparo
Coloque as cascas em uma panela e cubra com água. Leve em fogo baixo e deixe cozinhar por cerca de 40 minutos. Coe o líquido e volte para o fogo com o açúcar. Deixe apurar até formar uma calda grossa. Desligue o fogo e espere enfriar para consumir. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Assa peixe em Sabará

No final de novembro do ano passado estive em Sabará, bem pertinho da capital mineira, para participar do 27º Festival da Jabuticaba. Na época estava em uma correria e acabei não falando uma linha sobre o assunto aqui no blog. E agora vasculhando alguns arquivos achei um material bacana, receitas e dicas que vale contar para vocês. Além de servir de inspiração para participar do próximo festival, a cidade merece ser visitada sempre, pois os produtores artesanais, restaurantes e cozinheiros estão preparados para receber o ano todo.
Para começar, preciso contar a minha maior surpresa por lá, o assa peixe frito. É feito pelo cozinheiro Manoel Ferreira, que trabalha no restaurante do Parque Quinta dos Cristais. Ele conta que aprendeu a cozinhar com a mãe, que o ensinou não só o ofício, mas também o prazer em degustar e identificar os sabores presentes em cada garfada.
Para quem não conhece (assim como eu não conhecia), o assa peixe é uma urtiga, muito usada como planta medicinal. Mas nas m…

Lenda do bacuri

Outra lenda interessante é sobre a origem do bacuri. Dizem que, certo dia, na floresta, apareceu a cabeça de um índio caxinauá, que havia sido degolado por um de seus companheiros. A cabeça aterrorizava a tribo com exigências que deveriam ser cumpridas para evitar que não lhes fosse tirada a vida. Todos deviam buscar, na floresta, um fruto amarelo escuro e manchado, com casca dura e uma polpa deliciosa, vindo de uma árvore cheia de flores avermelhadas. Os índios obedeceram às ordens por muito tempo até que um dia alguém resolveu experimentar o fruto, sendo seguido por todos os outros índios. A cabeça ficou muito brava e se transformou na Lua. Depois disso, sempre que comiam a fruta, davam as costas para Lua.

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…