Pular para o conteúdo principal

A cozinha da vovó - parte 04 (Cheiro de lar)

Cheiro de lar
Tenho o olfato muito aguçado, daqueles capazes de identificar exatamente o que o vizinho está preparando. Consigo sentir na boca o gosto do cheiro, que por sua vez me carrega no tempo para uma memória gostosa. Tenho alguns aromas preferidos, como bolo que leve na massa açúcar mascavo e maçã. Adoro o cheirinho de leite fervendo. Salivo só de sentir de longe qualquer receita que tenha manjericão. Mas, sou encantada com cheiro de carne no forno. É algo que me transporta no tempo e me leva diretamente para casa de mamãe e vovó.
Era uma época em que a gente, ainda criança, acordava com esse aroma pela casa toda. O café da manhã tinha cheiro do pernil que já estava no forno desde cedo. Uma verdadeira tortura que se estendia até a tardia hora do almoço em família. Com o tempo, esse momento de prazer olfativo passou a incorporar as outras etapas do preparo. No dia anterior, preparávamos o tempero que era besuntado em toda a carne com amor na ponta dos dedos. De tempos em tempos, era obrigatório virar a peça para o tempero tomar conta de todas as partes. Logo cedo, o pedaço de porco ia para o forno assar sem pressa, com o tempo perfeito e necessário para tornar nossa vigília na cozinha ainda mais inquieta. 
Enquanto o cheiro ia entranhando em cada parte da casa, judiando dos vizinhos, o dourado ia tomando conta da carne. Era chegado o momento de colocar a mesa, tarefa feita sem reclamação pela criançada, já que o prêmio suíno vinha logo. Pratos, talheres, copos, guardanapos e suportes de panelas apareciam rapidamente. Aos poucos, iam chegando arroz, tutu, farofa, macarronada, salada, molho de pimenta e as bocas ansiosas. Bem no centro da mesa, o espaço reservado para a estrela do almoço era guardado por todos. Após essa longa espera, vovó surgia da cozinha com aquele enorme tabuleiro repleto de alegria, a nossa alegria. Esse exato momento era a contemplação de toda a peleja vivida nas últimas horas. 
Hoje em dia, quando sinto um cheiro assim, consigo em segundos reviver todo esse rito em minha memória e me sinto degustando lembranças. Quando me atrevo a fazer algo parecido em minha casa, me sinto um pouco mais perto da cozinha delas - vovó e mamãe. E aí a saudade aperta de um jeito gostoso, com direito a cheiro de lar. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Petiscos sem carne

Na última sexta-feira foi dia de receber pessoas especiais em casa e (...) que não comiam carne. Isso pode até parecer um problema inicialmente, mas é coisa fácil de resolver. Afinal, tem tanta coisa gostosa nesse mundo. Preparei vários petiscos sem carne, mas vou dar a receita de três que considero a facilidade em pessoa.
Caponata de Beringela 1 berinjela em cubos + 1 cebola fatiada em meia lua + 4 dentes de alho fatiados + 1 pimentão vermelho em fatias meia lua + 1 pimentão amarelo em fatias meia lua + 100 gramas de uvas passas branca + 100 gramas de amendoim torrado e sem casca + 1 xícara de chá de azeite + sal e pimenta do reino = Coloque todos os ingredientes (com exceção dos temperos) em um tabuleiro e leve ao forno alto. Deixe por 30 minutos, misturando de vez em quando. Retire do forno e tempere.
Tomatinhos confitados 500 gramas de tomatinhos (sweer grape, uva, mini italiano) cortados ao meio + 2 dentes de alho picadinhos + 200 ml de azeite + manjericão fresco à gosto + 1 pita…

Receita de bolo #casadinhos

Traduzir amor em comida é uma das melhores coisas da vida. Dá uma sensação boa preparar tudo com muito carinho e depois ver a pessoa degustando a comidinha com esse tempero especial. E uma das coisas que mais faço para agradar os que amo é bolo. De aniversário, gelado ou mesmo aquele simples, bem roceiro. Tudo é motivo para bolo! Ontem ganhei uma goiabada cremosa apetitosa que na mesma hora virou motivo de bolo. Com alguns minutos o tabuleiro já estava no forno, o cheiro tomando conta da casa e o maridinho abrindo aquele sorrisão de quem iria se esbaldar de bolo/amor.
Bolo de goiabada com queijo
Ingredientes: 4 ovos 2 colheres de manteiga ½ xícara de creme de leite 2 xícaras de açúcar 2/3 xícaras de leite 4 xícaras de farinha de trigo 1 colher de chá de fermento biológico 4 colheres de sopa de queijo minas ralado 4 colheres de sopa de goiabada cremosa 1 xícara de leite condensado
Modo de preparo:
Bater em uma batedeira as gemas, manteiga, creme de leite e açúcar até formar um creme. Acr…

Docinhos mágicos

Sou daquelas que troca cinquenta bombons com ouro comestível, florzinha de pasta americana e corante por um cajuzinho. Gosto dos tradicionais, dos sabores simples e verdadeiros. Aqueles docinhos honestos, que não tem gosto de produtos industrializados, mas que traduzem carinho em forma de bolinhas.
Gosto também das mãos por trás deles. Pessoas que não deixam essas receitas se perderem, criam outras e valorizam o artesanal. Eis que surgem os Docinhos Mágicos da Lylli Paper, marca recém-lançada por uma querida amiga. Tudo é feito artesanalmente e com um cuidado extremo para alegrar sua alma. Já provei os seguintes sabores: brigadeiro de paçoca, canela, coockie de morango (que me deixou desmaiada de amor), óreo, e os docinhos de leite ninho, beijinho e, minha paixão maior da vida, cajuzinho. As opções são diversas e o preço bem camarada, viu?
A Lylli Paper também faz projetos customizados para diversos eventos como aniversário, casamento, chá de panela, batizado e outros. Eles cuidam d…